MPRO

6 características tecnológicas indispensáveis às roupas de ciclismo

A grande maioria das pessoas já sabe que as roupas de ciclismo são muito importantes para um melhor desempenho no pedal. No entanto, talvez o que você ainda não saiba é que certas características impactam (e muito!) na qualidade das peças.

Para entender quais são esses pontos importantes, siga a leitura e confira as informações que a Equipe MPRO reuniu com exclusividade para você.

Roupas de ciclismo: conheça 6 características essenciais

Com o intuito de ajudar você na escolha da roupa de ciclismo ideal, listamos abaixo seis fatores relacionados a tecidos e a tecnologias que você deve observar ao adquirir uma determinada peça.

Veja:

1. Troca térmica

A troca térmica presente nos forros para ciclismo ajuda a manter a temperatura ideal do corpo, já que a tecnologia utilizada faz com que o contato entre a pele e o forro alcancem um equilíbrio térmico. Dessa forma, o ciclista usufrui de maior segurança, conforto e liberdade na hora de pedalar.

2. Boa elasticidade e compressão

O ciclismo é uma das atividades físicas que mais gasta calorias em comparação com outros esportes. Sendo assim, não há como negar que os adeptos do pedal fazem movimentos diversos e intensos sobre duas rodas.

Em razão da grande mobilidade exigida, é importante contar com roupas de ciclismo que possuam boa elasticidade, para que os movimentos não sejam travados pela roupa e também para que haja maior compressão.

A compressão do tecido nas bermudas e bretelles estimula a circulação do sangue nas pernas e reduz os níveis de agentes metabolizantes, como o ácido lático. O indicado é que o tecido das bermudas e bretelles tenha na composição ao menos 20% de elastano, garantindo a elasticidade e compressão da peça.

3. Forros de alta resistência

Forros confeccionados com a tecnologia high-resiliency foam oferecem espuma de alta memória, que não perde a forma com o uso e lavagem. Assim, o forro de sua bermuda ou bretelle possuirá garantia de qualidade e conforto, mantendo o formato original, sem deformar ou perder densidade, mesmo em pedais longos e períodos de tempo prolongados.

4. Proteção contra agentes biológicos

A proteção biológica é uma combinação da proteção antimicrobiana,  proteção antifúngica e proteção antiácaros. Através da tecnologia, o ciclista evita a proliferação de fungos e bactérias, garante maior duração às suas roupas e também previne possíveis danos à sua saúde. É importante que o forro tenha proteção contra agentes biológicos aplicada no tecido e também na espuma, que é onde ocorre a maior retenção de calor e umidade.

5. Tecnologia antiatrito

Como mencionado no artigo “Como a tecnologia antiatrito pode ajudar o ciclista em longas distâncias?”, a tecnologia antiatrito oferece ao ciclista muito mais mobilidade em treinos de longa distância.

As feridas derivadas do pedal ocorrem geralmente por conta do atrito causado entre o selim e a perna ou virilha no movimento repetitivo do pedal. A fricção acaba gerando uma inflamação cutânea e vermelhidão, que pode arder e sangrar.

Por isso, apostar em peças que apresentam tecidos macios com tecnologia antiatrito é essencial para um pedal mais confortável e seguro.

6. Confecção anatômica

Para que as roupas de ciclismo sejam verdadeiramente adaptadas ao corpo do ciclista, é essencial que as peças possuam modelagem anatômica. Uma roupa anatômica é aquela que se molda ao corpo de quem faz o pedal, vestindo de forma justa mas sem ficar apertado. Assim, há ganhos de conforto e performance, ainda mais com roupas de média e alta compressão.

A importância dos forros nas roupas de ciclismo

Entre os diversos recursos existentes para uma melhor performance do ciclista estão a espuma em poliuretano e o gel, dois materiais utilizados em forros de bermudas para atletas amadores e profissionais.

Uma bermuda para ciclismo de qualidade possui a tecnologia necessária para absorver os impactos na região dos glúteos. A espuma em poliuretano, montada em camadas de diferentes densidades, é o tipo de material mais tecnológico e atual, reduzindo a absorção de impacto ao compensar as diferenças de contato dos ísquios com o selim.

Já o gel é aplicado em alguns modelos de forro em forma de camadas, para adicionar ainda mais conforto.

Então, gostou da leitura? Aproveite para compartilhar este artigo com o grupo do pedal no WhatsApp e com seus amigos nas redes sociais!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.